quinta-feira, 31 de maio de 2012

ARTE TERAPIA .


Centro Social de Telheiras .
.

RIO DE JANEIRO .

Ó rELVAS; Ó rELVAS ...


.

O JOGO DA MALHA .




Fotografia de Gérard Castello Lopes .

MALHA, jogo practicado por milhões de portugueses,para
conseguir amealhar o magro sustento das suas famílias .

Outra variedade do jogo, consistia em arremes-
sar um calhau roliço, para derrubar a ponto, ou
aproximar-se o mais possível do sítio marcado .

Nos anos 60, a maralha teve que ir malhar para
outros lugares :
Uns para África, para a guerra, outros para a
prisão e o desterro, mas a grande maioria foi
malhar para a França, Alemanha e Suissa, para
os bidonvilles das periferias das grandes cida-
des, que ajudavam a construir e a limpar .

Já então era outro o jogo da malha .

Nâo é por acaso que a canção mais popular do
norte de Portugal, era, e é, o malhão .

Uma das grandes distracções do nosso país sempre
foi, ora malhar uns nos outros, ora malhar nos
sarracenos, nos judeus, nos negros, e por aí fora.

A Pide foi precursora da nobre arte de malhar,
tendo-se especializado em diversas maneiras de
bem utilizar o malho .

Mais tarde, com o progresso e a gula, reinventaram
a practica da malha, passaram a chamar-lhe malha-
ção, exercício sado-masoquista que permite manter a
boa forma física das senhoras e dos cavalheiros .

Desconhace-se a verdadeira origem da palavra .
Antiga certamente, e de uma riqueza enorme, dada a
grande possibilidade das variações que ela comporta .

Se não vejamos :
Fazer malha;
Classificar as vacas - a branquinha e a malhada ;
Malhar o ferro enquanto estã quente, etc .
E muitas outas referências existentes ...

Fiquemos por aqui...

BOA MALHA ...
.

O POEMA DE FERNANDO PESSOA .


Expresso.

Musicado por Zeca Afonso .
.

quarta-feira, 30 de maio de 2012

ESPANTO .

O que está a acontecer neste País ?
Pasmo e só posso abrir a boca de espanto .
Há três dias que o Cavaco e a Merkel não apa-
recem nos jornais...
Como é possível ?
Só o Relvas e a Lagarde ...
O que se passa neste mundo ?
.

FESTAS DE LISBOA .


.

REALEZA - 1 .


.

LADRÃO QUE ROUBA A LADRÃO ...


.

NOVAS VELAS MONTANHAS - 6 .


.

NOVAS VELHAS MONTANHAS - 5 .


.

DÁLIA, A DEPILADORA .


Publicidade .
.

O SEQUESTRO DO OURIÇO .


.

ALVORADA EM MARTE .


.

MY FREND BLAIR .


Traficante de ódios, de guerra, de morte,
vendedor de palavras, de mentiras,
caixeiro de maletas de viagem .
.

DOURO, PATRIMÓNIO DA HUMANIDADE .


.

terça-feira, 29 de maio de 2012

O REGRESSO DOS OURIÇOS .


.

A BONECA LOIRA .


.

OS CAPITÃES DE AREIA .


Jorge Amado, o maior escritor de língua portuguesa do
Sec.XX, que nunca recebeu o Prémio Nobel, pelo facto
de ser comunista .
Escreveu obras espantosas, por exemplo, Gabriela, Cravo
e Canela, Tieta do Agreste, Os Velhos Marinheiros, e
muitas mais .

Coisas da Inquisição ...
.

A VIÚVA ALEGRE .


.

A ARTE DAS CALDAS .


.

O POLVO DA SORTE ...


...Ou da porca da política ...
.

NOVAS VELHAS MONTANHAS - 4 .


.

segunda-feira, 28 de maio de 2012

OLÉ ...


Publicado no jornal El Pais Semanal.
Maio 2012.
.

A CAVERNA DO ALI BABÁ .

Cada dia que passa, penso que as coisas já não vão poder
piorar mais .
Puro engano .
Há muito que a realidade ultrapassou toda a ficção .
Todos os dias surgem novos casos de extrema gravidade .
Episodios inimagináveis .
E sempre pelas piores razões .

O que faz correr esta corja ?
Os Relvas e seus apaniguados ?
Onde entra o Passos nesta palhaçada ?
Ratazanas gordurosas.
Dejectos abjectos .
Invertebrados asquerosos que diàriamente vão saltando
para o lodo do circo mediático, e nele chafurdam com
todo o desplante .

Serão apenas fogos fátuos ?
Ou um país em putrefacção ...
Vermes perdidos ?
Ou fluídos carregados de morte ...

Que dirá Cavaco, quando regressar de banhos!
Onde maranham as altas individualidades judiciais ?
E porque não se pronunciam os avatares da política,
sempre tão pressurosos a cagar sentença ...
E os coitados dos jornalistas, marionetas respeitosas
e agradecidos pela esmola de uma caixita ?
Porque não procuram a verdade ?

Afinal quem é o Relvas ?
E os insectos que pululam à sua volta ?
Em que miasmas germinaram ?

Andam todos a brincar às cabras cegas .
Passeando numa montanha russa, caçando bruxas, num
massacre dos inocentes, que jamais entenderão o dra-
ma que decorre à sua volta, nesta república das bana-
nas e de bananas .

CARAGO ...

Alguém tem que dizer basta .
Alguém tem que arrancar a peçonha a estes lacraus,
apanhá-los, amarrá-los ao pelourinho popular e pegar-
lhes fogo, longe da vista .

Isto já não vai lá com papas de linhaça .
Os ferúnculos têm que fortemente espremidos, sem anes-
tesia, para curar as pústulas e fazer saltar o sangue e o pús .

Doa a quem doer .
.

AS GRUTAS DE LASCAUX


.

ITÁLIA, Maio 2012 .


.

O MISTÉRIO DA ILHA DA PÁSCOA .


Homens com 10 metros de altura,
mas com poucos gramas de miolos ...
Há um século que o enigma das cabeças gigantes
daquela Ilha, deixa os cientistas(?) de olhos
esbugalhados .

Então não seria uma hipótese de trabalho, esca-
var um pouco, ou então usar uma simples radio-
grafia ...

Digo eu, que sou burro ...
.

A AFINAÇÃO DOS SENTIDOS .


Um jantar às cegas .
Trata-se de um teste para ensinar invisuais .
.

ANGELA - 5 .


.

domingo, 27 de maio de 2012

A GRANDE FARRA .


Desenho de André Carrilho .
D.N.
.

Ó RÉ, OBRIGADO PELA DICA ...


.

A MONTANHA MÁGICA .


.

OS TEUS OLHO VERDES ...


Publicidade .
.

ASTÚRIAS, Maio 2012 .


.

QUEM TEM UM OLHO ...


.

O ACE DE SHARAPOVA .


.

PAQUISTÃO, Maio 2012 .


.

L`IMPORTANT CÈST LA ROSE ...


.

PINÓQUIO .


.

sábado, 26 de maio de 2012

E GUANTANAMO ? .


.

RIBALTA - 41 - Simon and Garfunkel .


.

ENGRENAGENS - 30 .


.

A TERTÚLIA .


.

CAMINHO - 24 - O ROCK IN RIO .


.

CAMINHO - 23 - O AMARELO DA CARRIS .


.

CAMINHO - 22 - O JARDIM DAS AMOREIRAS .


O Colégio Montessori.
A tasca do Senhor André .
Os passeios com a Avó .
o sorriso de criança .
Um sítio sem carros .
A Júlia e o Rodrigues .
A mercearia do senhor Eduardo .
O café do Procópio .
O papagaio do Júlio Isidro .
O perú, os faisões, as pombas .
Os bichos da seda .
As professoras da escola .
A bruxa da directora .
A saída das aulas .
O jardineiro carrancudo.
Os pardais .
O poema das árvores .
As pedras da rua .
Um buraco no chão .
O boné na cabeça .
O sorvete a cair .
O quiosque do canto .
As calças rompidas .
A hora do lanche .
O joelho esfolhado .
Os amigos .
O jogo da bola .
A troca dos cromos .
As corridas intermináveis .
Os cordões do sapatos.
O suor a escorrer na cara .
As bochechas còradas .
A Capela do Rato .
Os arcos do Aqueduto .
A Casa da Comida.
O bebedouro dos pássaros .
O jogo do belindre .
As escadinhas do atelier .
As árvores centenárias .
O senhor prior aperaltado.
A missa de Domingo .
As folhas caídas .
Os velhos do jardim .
A bulha dos cães .
As flores em botão .
Os miolos de pão .
A voz das vizinhas .
O sono sem chegar .
A mãe a chamar .

Um mundo de sonho .

.

sexta-feira, 25 de maio de 2012

A CIRURGIA .

Finalmente, Passos Coelho e José Seguro,
os dois gémeos siameses políticos, que coabitavam há vários
meses no mesmo organismo, foram submetidos a uma delicada in-
tervenção cirúrgica, que conduziu, com grande êxito, à sua
completa separação .
A operação decorreu de acordo com o previsto .
Os dois felizardos encontram-se bem, e espera-se que a sua
recuperação seja rápida e completa .
Parabéns aos enfermos noticiados
.
.

AGIR PELO SEGURO .



Não sei se admire mais a persistência de António José Seguro,
se a burrice de Passos Coelho .

É uma questão de lana caprina :
AUSTERIDADE versus DESENVOLVIMENTO .

Dir-se-há que se trata de um problema determinante, mesmo capi-
tal do nosso país .
Talvez .
Não creio no entanto que haja um dilema dramático sobre esta ma-
téria . .

Desenvolvimento ?
Como ? Quando ?

Austeridade ?
Sempre mais ? Até onde ?

No entanto tudo parece resumir-se a uma questão de atitude :

Seguro vem defendendo, desde há muito a necessidade de um cer-
to crescimento ;

Passos vem mantendo teimosamente a ideia de que ùnicamente se
vai ocupar da austeridade .

Pelo menos, em palavreado :

Seguro 1 / Passos 0 .
.

A POLÍTICA E A BELEZA - 3 - VALERIE HOLLANDE .


.

AS MANAS BERBIGÃO .


.

ENGRENAGENS - 28 .


.

UM POUCO DE AR PURO .


Debates EDP .
.