quarta-feira, 26 de julho de 2017

O FOGO JÁ CHEGOU À CIDADE .

O País está a arder .

Todo a arder. Sem descanso .

Quanto do PIB já foi comido durante 
esta época balnear .

Ou será isso não não interessa aos tecnocratas e burocratas
deste país desgraçado ?.

Drama terrível, todos os anos renovado .

Gente em cinzas, cinzas que se confundem com as da floresta 
martirizada, floresta transformada em pó negro .

Vem-me à ideia o pensamento do sociólogo brasileiro, que tra-
tou o Ciclo da Fome, JOSÉ de CASTRO, em que os homens de-
voravam os caranguejos, e estes acabavam por comer a vida 
dos homens .

Tu és pó, e em pó te irás transformar .

É criminosa a contabilidade criminosa usada na exploração da
morte, da desgraça e da miséria, com que os cristãos do CDS, 
vêm utilizando desrespeitosamente as pobres vítimas de uma ca-
lamidade que vem assolando a nossa terra .

Como é criminosa a ligeireza com que foi abordado o Projecto de
Le, acerca o Banco de Terras . É a favor da sacrossanta proprie-
dade privada . O que pode esta pureza ideológica, face à ganân-
cia do voto dito popular ...

Hipócritas .
.

terça-feira, 25 de julho de 2017

VIDA DUPLA .

Esquizofrenizado 
entre dois mundos antagónicos .

Aprisionado entre dois estudos, 
mal tinha tempo de me coçar .

Percorria a cidade de cima a baixo, sempre a correr, para conseguir
algum tempo para os meus afazeres, para os meus alfinetes .
Havia sempre ocasiões para inventar um ou outro divertimento .

Praticava todos os desportos, em especial o Futebol, jogava bilhar,
e à noite, por vezes, após a Escola, jogava hóquei em patins, 
mas era no fim de semana que me sobrava tempo para ir sobrevi-
vendo .

E havia as férias, pachorrentas, imensas, chatas como tudo, e então
passeava, lia muito, e arrastava o rabo por aí, a caminho da Estação
dos Caminhos de Ferro, dávamos um salto ao Rio Corja, a fingir que 
tomávamos banho, que o rio ia seco, durante quase todo o ano.
Ou vínhamos pela linha do combóio, atravessando a cidade, vencendo 
as pontes perigosas, que ligavam os vales profundos .

Ou então, vagabundeávamos a esmo, e discutíamos tudo e mais algu-
ma coisa, com opiniões muito diversas e quase sempre antagónicas .

Vivia muito distante dos meus irmãos, com interesses muito diferentes,
e todos com uma vida mais certinha do que a minha.
o mais velho tinha ido estudar para a Guarda .
Os mais novos, crianças ainda, estudavam música e tocavam-na quase
diariamente .

Sempre tive apetência para a actividade musical, mas a vida de transu-
mãncia lectiva, e depois a Escola Nocturna, depressa me fizeram passar
sem ela . 
Tocava acordeão às escondidas, pois tinha um ouvido privilegiado, mas
nunca soube a parte teórica da coisa .

Depois, estava era desejoso de voltar à Escola .
.

segunda-feira, 24 de julho de 2017

A LUTA DE CLASSES .

Quem é que disse 
que não havia luta de classes .

Dos sítios por onde andei, nunca senti a violência calada da
luta de classes, como no Tortosendo e na Covilhã, meios fa-
bris dos lanifícios .
Confesso que também nunca foi tão rude o ódio e o asco às
classes possidentes, cujas famílias exibiam vários automó-
veis por família, e um desprezo total pelos trabalhadores . 

Houve uma época, muito curta, por sinal, a era dos Cursilhos
da Cristandade, em que todos eram irmãos em Cristo, e se tra-
tavam todos por tu, operários e patrões, as cenas ridículas a 
que eu assisti, nessa altura .

Tudo acabou, em menos de um fósforo .

O café mais importante da Covilhã era o Café Montalto, ponto 
de encontro das classes sociais mais consideradas, onde não en
travam o eram operários e estudantes .

A segregação era de tal monta, que as mesas estavam marcadas,
de acordo com as profissões - havia a mesa dos industriais, dos dou-
tores, dos professores, dos bancários, e por aí adiante .

De vez em quando, saíamos em bando do Colégio, e vínhamos pou-
sar, um ou dois por cada mesa, antes da hora do almoço .
Pedíamos uma bica e ninguém para aviar, e assim ficávamos a fazer
fincapé, até nos serviam a contragosto, pois que se aproximava a 
hora de suas excelências .

Havia outras malandrices que praticávamos, tínhamos ritos e cos-
tumes que levávamos à séria .

Por exemplo, era obrigatório fintar os polícias, e atravessar as ruas
fora das passadeiras .

Vem este paleio a propósito da Escola da Noite, em que no primeiro
se criaram dois grupos distintos, 
de um lado, os filhos dos industriais, o Saraiva, o Carrilho, o Lobo, 
o Gíria e o Proença . 
Do outro, os verdadeiros trabalhadores-estudantes, oriundos das clas-
ses com menos posses - o Paixão, o Cunha, o Raúl Peixeiro e eu, que 
era estudante-estudante .

E assim coabitamos durante todo o curso de Debuxados .
.


domingo, 23 de julho de 2017

ESQUIZOFRENIA .

Vivi vários anos numa terra vermelha, o Tortosendo, em que 
até alguns industriais pertenciam ao Partido Comunista .
Quase toda a gente era simpatizante ou militante, (tudo na
clandestinidade ) .

Ia para o Liceu da Covilhã, de boleia com  os filhos dos in-
dustriais, num carro guiado  pelo motorista de um desses
ricalhaços .
Saía mais barato pagar a sala de estudos, do que a camioneta 
da carreira .

Aí fiz o meu 2º. Ano .

De seguida, fui para 

Castelo Branco,  onde fiz o 3º. ano .

Posteriormente, a minha família rumou à Covilhã .

Foi então que fui repartido em duas metades, 

de manhã pela fresquinha fre-
quentava o Colégio Moderno ;

Á noitinha , ia para a escola da 
noite tirar o Curso Industrial .


Como vêem, era simples ...

Comia o bife da alcatra, 
ao almoço,
jantava na sopa dos pobres .

Num ápice, mergulhei no mundo do trabalho .
Foi um triplo salto mortal, com duas piruetas à rectaguarda .

Apesar de tudo, o que me servia de cola, era a minha família, 
embora já meio desmembrada nessa altura,
e finalmente um casa, junto ao Tribunal da Covilhã e ao pé da
estação do combóio .

Aí se iniciou a minha nova vida . 

Saía de casa, por volta das sete da manhã, e regressava por vol-
ta da meia noite .

A minha Mãe preparava-me o jantar às sete, e por vezes deixava-
-me uma chávena de chá, quando voltava para casa .

Não tinha muito trabalho nas aulas, quer de dia, quer de noite .

Talvez nunca tenham experimentado o ensino nocturno .
Ali não há faltas de qualquer natureza . Só as de mau compor-
tamento . A selecção faz-se pelo interesse e sacrifícios que os
alunos demonstram .

Foi uma época fantástica, em certos aspectos, mas muito doloro-
sa noutros .

Percebi o real significado de duas palavras muito importantes :

A SOLIDÃO

A SOLIDARIEDADE .
.



A ESCOLA CAMPOS MELO, COVILHÃ .

Em busca do tempo perdido .

É uma doce ilusão .
Nunca mais de volta a viver o tempo que nunca se viveu .
É curioso que uma destas noites, da uma para as duas, es-
tive a ouvir uma grande conversa com alguém que abor-
dava precisamente este tema .

Olha quem, o professor Júlio Machado 
Vaz .

Foi ele que me abriu uma fresta no crânio e me ajudou a 
compreender uma parte dos meus problemas .

Falta-me a memória da minha inocência
perdida .

Pode-se tentar compreender essa falha, esse buraco  negro, 
tentar preenchê-lo com novas incidências, agarrar-se às aná-
lises psicanalíticas .

Esse buraco, ficou buraco 
para sempre .

Esse facto ajuda a explicar muito, ou uma parte importante 
da minha existência .

Tenho corrido desesperadamente atrás desse intervalo de vida,
para além de que ando sempre a fazer confusões na minha cabe,
ça, teço as mais mirabolantes fantasias, vivo de facto uma vida di-
ferente dos outros, sem esquecer uns grãos de loucura que às vez-
es vou trincando .

A explicação é simples :

Não vivi a adolescência como a outra malta .

Tenho andado, secretamente, à sua procura .
.

sábado, 22 de julho de 2017

ESCOLA DA NOITE .

Para os homens
que nunca foram meninos .

Alves Redol .

Tinha algum jeito para o desenho . Era pelo menos o que os 
meus familiares diziam . Como é que podia ser artista, se eu 
nem sequer dispunha de material adequado para mostrar as 
minhas habilidades .
Diziam os meus avós, que deveria sair ao meu Tio Lucas, um
santeiro que tinha feito o Menino Jesus, que havia na Igreja 
paroquial de Seia .

Tinha feito alguns desenhos baseados nas gravuras dos princi-
pais escritores que vinha no livro da 4ª. classe, e um esboço de
retrato do meu Pai, numa época que ele era mais forte  .

Nesse tempo,  jogava à bola, era back central no Seia Futebol 
Clube .

Mas nessa altura, a arte ainda não entrava 
nas minhas cogitações .

A bola e as correrias eram as minhas grandes preocupações .


E andar à aventura com outra malta, na gandaia, sem destino, 
tipo 

Os Capitães da Areia, 

inventando brincadeiras, algumas roçando o perigo .
uma espécie  de 

Crónica dos Bons Malandros, 

à nossa medida .

E havia a Escola, bem entendido, mas isso era matéria para os 
tempos obrigatórios .
Era apenas um passatempo necessário .

Mais adiante, foi que o meu Pai me avisou que no dia seguinte ia
para a escola nocturna, pois o futuro era via a ser 

Debuxador, 

que era o curso que estava a ter grande saída .

Nessa noite, lá de apagaram mais uns quantos sonhos e bizarrias .
,


sexta-feira, 21 de julho de 2017

A LONGA ESPERA DA VIDA .

O cúmulo da paciência 
é meter um calhau numa gaiola
e esperar que ele cante .

Vou deixar o telefone esquecido em casa ou desligo-o proposita-
damente e assim já não fico à espera, feito parvo, para ver se al-
guém me telefona .

O telefone tornou-se um objecto obsoleto e perturbador, fonte de
ansiedade e impaciência .

Como é difícil a espera .

Quando era miúdo, ficava à tardinha, a fazer companhia à minha 
mãe, até que o meu pai chegasse a casa .
Lisboa era, nessa altura, considerada uma cidade perigosa, sobre-
tudo para quem vinha das terras do interior, perto do campo, onde
as pessoas eram conhecidas e a vida mais calma .

O que mais me assustava na cidade grande, era o som assustador 
das ambulâncias, a caminho do hospital de Santa Marta, que era o
Banco de socorro, e que ficava mesmo junto à minha casa, na Rua 
Bernardim Ribeiro . 

Imaginava sempre que alguém amigo ou da família pudesse ser um
passageiro que ali vinha .
Custou-me muito habituar-me a essa aflição até mudar de residência
e a vida me levar para outras  experiências .
Mas, ainda hoje, sinto o silvo que atravessa a cidade, ou apenas o ima-
gine, tal a sua carga de desgraça com que ele marcou .

Na minha curta juventude gastava o tempo na ânsia de crescer e tor-
nar-me alguém na vida, ter dinheiro para o cinema, para os cromos, 
para o bilhar, para andar de bicicleta .

Achava que ser criança, ir à escola, era uma grande chatice, era só o
longo caminho para se chegar a ser homem .

Pura ilusão de puto atrevido .

Gostava de ter sido aviador, vá lá a gente entender porquê .
Fabricava os meus aviões de balsa, que destruía muito rapidamente, 
pois era uma actividade de risco .
Passava muito mais tempo a construir e a reconstruir os modelos, do
que a gozá-los em lançamentos  .
Talvez me ficasse na memória um resto de ligação à engenharia .

Mas a minha paixão sempre foi o desenho e os bonecos .
Foi então que se iniciou a 2ª. fase da minha vida, agora já a sério, mas
com muita brincadeira à mistura .

.

Entrei inopinadamente na vida adulta .

A escola industrial da Covilhã, e o Curso de Debuxador .
Aos 14 anos fiz-me um homem , e continuei à espera da vida .

Tinha acabado a fase da pequena malandragem e iniciado o período da
vadiagem .
Com a posse da minha primeira chave de casa, comecei a rodar em roda
livre, sem que ter que dar justificações a ninguém .

Era um novo velho mundo que se me deparava, tomando consciência de
outras realidades, abandonando a minha personalidade de criança, e en-
trando de cabeça na vida dos adultos .

De um dia para o outro .
Um mundo complicado, com outras responsabilidades, com outras preo-
cupações, outras tarefas, outras amizades, que baralharam completamen-
te a vida de uma criança feita homem .

O meu desejo de crescer depressa esvaiu-se, de repente .
Tinha crescido tão rápido, que fiquei para sempre criança .
A criança que ainda hoje teimo em ser .

Passei a coabitar uma adolescência perdida, com 
uma maioridade fingida .

Não acompanhava os mais novos, mas não entendia os adultos .

Foi uma época muito difícil para mim .

Às vezes tirava partido da minha singular situação .
Como estudava de dia e de noite, acontecia por vezes baldar-me e andar na
galderice, ausentando-me do Colégio e da Escola Industrial .

No último ano do curso de Debuxador, ainda tirava umas horas semanais 
para fazer o Estágio Curricular, na fábrica dos Irmãos Rosetas, na Covilhã .

.

quinta-feira, 20 de julho de 2017

O MISTÉRIO DA BASE DE TANCOS .

O Rei vai nú, 
com as cuecas na mão .

É a risota geral, a chacota com uma Corporação respeitada 
e respeitável, mas que começa a abrir grandes brechas na mu-
ralha .
Uma instituição que devia ser mais preservada e olhada com
mais cuidado .

Os tristes episódios da pretensa entrega das espadas, a inspe-
ção atabalhoada dos paióis e paiolins, a exoneração e  a retoma 
dos comandantes, a blindagem das informações militares, as ex-
plicações carecas, de todos os intervenientes, a confusão genera-
lizada, mais a demissão firme de dois oficiais generais,
vieram cobrir de ridículo a Intituição Militar .

E isso vai deixar marcas profundas .
.

quarta-feira, 19 de julho de 2017

OS PIRÓMANOS .

Até parece que são os órgãos de informação que andam
a atear os fogos na floresta, só para ganhar audiências .

É autêntico voyeirismo, piromania desenfreada, e desres-
peito pelos mortos e feridos da calamidade que estamos
a sofrer .

Todas as televisões em uníssono, horas e horas, umas a se-
guir às outras, repetindo imagens vezes sem conta, sem 
que a partir de certa altura, já não interessa a notícia, mas 
sim o espectáculo vergonhoso e vexatório, em que a des-
graça e o sofrimento alheio se transformam em matéria pri-
ma de um negócio asqueroso, em nome da liberdade de in-
formação e expressão .

Toda a gente, muitos bem intencionados certamente, fa-
zendo chegar chegar a palavra e a imagem, impossíveis de
acontecer noutras situações,
mas muitos outros, para mostrar e interferir com a dôr e a 
intimidade das pobres gentes , violentadas e exploradas sem
dó, nem piedade .

É a comunicação de referência 
a que temos direito .
.

terça-feira, 18 de julho de 2017

O VEXAME .

A INVENTONA DE TANCOS .

Andam a caçoar com o Presidente,
mas ele merece, para não andar a meter o nariz onde 
não é chamado . 

E vai a tropa toda, mais o Ministro da Defesa, acompanhar
Marcelo, com pompa e circunstância, numa visita ao buraco
do paiol de Tancos, com Hino e Continências, para ver in lo-
co, esta imensa palhaçada .

Estava em perigo a segurança e a defesa do País, face aos nos-
sos inimigos terroristas ou ligados ao crime organizado.

O Presidente,
Comandante em Chefe das Forças Armadas Portuguesas,
teve que actuar em prontidão máxima .

Afinal, o elefante pariu um rato .

Há muita coisa para explicar .

Mas, para já, é

 Marcelo que fica mal na 
caricatura .
.


segunda-feira, 17 de julho de 2017

BRANCA CLARA DAS NEVES .

Se todos os políticos, jornalistas, críticos, paineleiros,
engenheiros e cientistas, e outra piolhagem avulsa,  agar-
rasem numa pá e numa enxada e acorressem à floresta 
selvagem, que é de todos, e não é de ninguém, e se pu-
sessem ao trabalho para apagar os fogos que medram por 
essas serras adentro, e se deixassem de cuspir parvoíces 
e despautérios, talvez que conseguissem debelar e a so-
lucionar o insolúvel drama dos incêndios florestais .

É agarrar nas alfaias, e mãos à obra  .

Esta escumalha toda ladra, ladra, mas sabe muito bem que
qualquer governo que queira fazer a reforma agrária que
se requer para resolver o doloroso drama da floresta portu-
guesa cai, no dia em que o respectivo Decreto fôr assinado .

E mais governos, uns atrás dos outros, cairão, 

inexoravelmente .

É, e será sempre assim .

Até que alguém, um dia, seja pendurado , de cabeça para 
baixo, atado a o pinheiro a arder .
.

O CAMARADA DAVID SANTOS .

Autárquicas de 2017 .

Cadaval, a Terra e a Serra .

O David é um grandes amigos do meu filho Mário Pedro .
Travaram juntos imensas batalhas, passaram em claro muitas
noitadas, a discutir a política, os princípios, as campanhas, as 
tácticas, as listas, a vida de um partido que tanto amam e ama-
ram .

Companheiros e  fundadores da Tertúlia do Martinho da Arca-
da.  café que servia de centro de gravidade  da discussão de no-
vas ideias e ideais para engrandecimento do Partido Socialista,
então na oposição, mas que um grupo decidiu resgatar, disposto 
a mudar radicalmente o estado de coisas, grupo as liderado por 
António José Seguro, Álvaro Beleza e muitos outros . 

Foi pois, com um enorme orgulho que fomos convidados para
a cerimónia de lançamento da Campanha do David, e da sua 
vasta equipa, para a tomada do poder para a Câmara do Cada-
val , para que esta Terra, perdida na Serra, possa almejar a ter
o direito de existir no mapa do País, e a prosseguir na rota do
progresso e do desenvolvimento . 

Sei que não será tarefa fácil, cheia de obstáculos e contrarieda-
des, mas quanto não vale o desafio de ir mais além, e fazer esta
gente mais feliz, mais rica, mais próspera , fixando muitas 
pessoas nesta terra e fazendo regressar muitas outras,ao conví-
vio e à partilha da Terra e da  Serra, há muito abandonadas.

Aqui vai o nosso apoio e o nosso abraço .

Os pais do Mário Pedro .
.




sexta-feira, 14 de julho de 2017

Pelo sonho é que fomos .

O SONHO COMANDA A VIDA .

Alguém me perguntou um dia
Como aparecem os sonhos
E eu respondi não sei

Talvez com a criação do Mundo

De uma gota de orvalho
Ou de um floco de neve
De um pedaço de bruma
Ao raiar o Sol

Do sorriso de criança
Do leve afago na mão
Do prazer de um amante
Ou de uma dor de parto

De um olhar sentido
Dum momento de inspiração
Duma lágrima comovida
Do encontro de alguém

Mas cuidado

Do mesmo modo que surgem
Podem transformar-se e pesadelos
Uma pequena fronteira os separa

Basta uma palavra rude
Um gesto desastrado
Um olhar enviesado 
Um sentimento magoado 

A desconfiança instalada
A raiva mal contida
Um pensamento cruzado
Um salto mal calculado


A vida corre adiante
Nunca volta para trás
De que vale um sonho
Se não for partilhado

É preciso que haja vento
para voar .
.






quarta-feira, 12 de julho de 2017

O SONHO AMERICANO .

O meu sobrinho neto Gonçalo acabou ontem o curso de 
Economia, no ISEG, e vai dentro de dias  continuar os es-
tudos numa Universidade Americana, na Virgínia Ocidental,
acumulando com o curso de futebol, integrado na equipa da
Universidade .

As voltas que o mundo dá .

A geração anterior à minha, foi ganhar a vida para o estran-
geiro, para África e América, Angola, Congos, USA, Canadá,
Áustrália, Brasil, Argentina, Venezuela .

Mais tarde, rumou à Europa, França, Alemanha, e depois à 
União Europeia .

A minha geração ficou parada no tempo e no espaço, sem visto,
nem passaporte, a não ser para ir para o mato, gramar a estú-
pida Guerra Colonial .

Pode ser que a geração actual,
venha em breve regressar à Pátria, e fazer desta terra madrasta
um País mais próspero e mais justo .
.

terça-feira, 11 de julho de 2017

AEROPORTO -2 .

Até parece uma sequela 
de um filme catástrofe .

Quando entramos no Aeroporto, na zona das partidas, parece
que vamos para um galinheiro, depois de termos percorrido uma 
cerca de gado . gado humano, claro .
Depois de muito tempo de espera, caminhamos lentamente para o
Check in, e largamos as malas .

É então que a feira começa .

Até parece que o objectivo central da viagem, é aproveitar as com-
pras mais baratas, que se fazem noutros lugares chiques da cidade .

O truque está na escolha dos artigos mais apetecíveis e na velocida-
de com que se chega até eles, primeiro que todos as outras, sim, por-
que em regra se trata de um público feminino .

Confesso que nada deste cerimonial ma atrai .

O que eu gosto é daquele espalhafato de côr
e de luz.

do melhor que há no mundo, um mundo de brilho e de ostentação .

Uma vez, partilhei com o António Lobo Antunes, a bola e o Playboy,
no tempo em que essas revistas paravam à porta do aeroporto .

Depois de feita a viagem, tínhamos que percorrer alguns quilómetros, 
sem fato de treino, após a saída da manga junto ao avião .


Há quem se distraia a fazer compras no estrangeiro, Londres, Paris,
Barcelona .

É ponto de honra .

Caturrices .

Então não seria mais simples, mais barato e mais rápido, fazer as com-
pras, logo ali no Aeroporto de Lisboa .


Mas, claro que não é a mesma coisa ...

Noblesse Oblige  .
.

segunda-feira, 10 de julho de 2017

O AEROPORTO DE LISBOA .

Foi através da colecção do Cavaleiro Andante, que trazia  semanalmente
os suplementos de cartolina, para a construção do Aeroporto de Lisboa,
que tomei conhecimento com essa infraestrutura .

Sempre gostei imenso de aviões, mas tirando as imagens da IIª. Guerra
Mundial, e de alguns documentários dos raros filmes, que via no Cine-
Teatro da minha terra, pouco conhecia da aviação .

Tudo se concretizava pelo sonho 
e pela imaginação .

Só quando fui para Lisboa, já rapazote, vi pela primeira vez um avião 
real,

O SUPER CONSTELLATION,

com três rabinhos na asa inferior .

O Aeroporto tinha sido recentemente inaugurado por 

Humberto Delgado,

Daí e nome que hoje ostenta na entrada principal .

Mais tarde , ir tomar uma bica, e passar um bocado da noite lisboeta
era uma tradição viajar até à Portela, e curtir as conspirações com os
amigos .

Com o desencadear da Guerra do Ultramar, era então corrente as ida ao
Aeroporto de Figo Maduro,  ver e rever os muitos amigos que eram obri-
gados a partir e outros a chegar de África .

Foi quando o Aeroporto aumentou espantosamente, e se converteu num 
sítio cheio de simbolismo e afectividade .

Mais tarde ainda, as viagens dos  emigrante, invadiram aquele espaço,
que ficou a rebentar pelas costuras, e a transformar-se num gigantesco 

Centro Comercial .
.

domingo, 9 de julho de 2017

AS FEIRAS .

Em poucos dias, tive o privilégio de assistir a duas feiras,
o que é raro, pois agora estou quase sempre pelo meu bairro .

A primeira foi no Estádio do Benfica - 

A CATEDRAL .

Tínhamos ido entregar géneros alimentares para ajudar o Banco
contra a fome . O dia das entregas coincidiu com o final da Taça
de Portugal, e o clube abriu as portas ao Estádio, para o efeito, e
para mostrar a Águia Vitória e os troféus ganhos este ano . 

Fiquei encantado com o número e com a variedade de gente que
frequenta aquele lugar ,

De todas as idades e tamanhos, altos, baixos, gordos, feios, gente gira, 
deslocando-se pelo campus desportivo .

Mas o que mais me impressionou, foi a variedade de símbolos exibidos,
como que a ressalvar a pertença 

à tribo Benfica .

Equipamentos completos, uma camisola, uma bandeira, uma saia, uma
blusa, uma pulseira, balões, folhetos, desenhos nas barracas de venda de
comes e bebes .

Crianças a correr de um lado para o outro.

Um formigueiro, uma feira, 
um sinal de vida .
.

sexta-feira, 7 de julho de 2017

Terapia ocupacional .

A colecção de molas da roupa .

Já tinha quase esquecido a história do Museu Pitt Rivers,
mas magicava qualquer coisa parecida,  como o museu das 
coisas simples e baratas encontradas no rua .

Sempre fui um tipo com o espírito de caçador recolector, que 
fui afinando na minha juventude, e depressa me transformei
num coleccionador compulsivo .

A necessidade aguça o engenho .

Comecei com as caixinhas que me davam no consultório, como
uma espécie de prendas, pelas muitas injecções que tive que apa-
nhar quando estive doente .

Depois passei aos selos, que ia juntando e que me eram dados pe-
los familiares dos emigrantes que tinham partido, sobretudo pa-
ra a América, USA e América Latina .

Aprendi a tirar o papel, a arrumá-los nas carteirinhas,  que eu 
próprio construía .
Depois fui comprando os pacotes com selos surtidos, e por vezes
eram outros coleccionadores que me davam selos repetidos .

Depois, pela vida fora, fui coleccionando coisas, cromos, berlindes,
de tudo um pouco .

Foi então, muitos anos mais tardes, em que vivi os dias mais trá-
gicos da minha vida, e em que me fui abaixo, quase não conseguia
sair à rua, andava 5 a 10 minutos, e ficava cansado, que comecei a
andar e a distrair-me com as coisas que encontrava e levava para
casa, gerando grandes problemas de choque de interesses com fa-
mília .

E retomei a velha ideia do

Museu das Coisas .

Não conseguem imaginar o que eu juntei nestes últimos seis ou sete
anos que tenho andado na recolha e separaçãoda tralha mais variada .
À medida que levava para casa, quase todos os dias ia separando as 
coisas em garrafões, disponíveis todas as segundas e quartas feiras
nos recipientes de recolha dos plásticos .

Levei todo este tempo a fazer a minha colecção de lixo, na esperança
de apresentar uma instalação de cerca de 250 garrafões, 

mas os artistas são uns 

incompreendidos, 

e a coisa não vingou .

Agora, mais de metade já foi à vida ,
e  vou inventar outra coisa qualquer .
.

O ENTULHO .

Quando Deus estava a distribuir os povos pelos 
diferentes países, o lugar de Portugal ainda estava
em aberto .
Muita gente fazia queixas ao Senhor, com receio 
que lhes calhasse um pais amaldiçoado, pois o mundo
estava cheio de perigos e desgraças, e o nosso País,
à beira mal plantado, cheio de belezas mil, ainda não
ter sido contemplado .

O criador, com um sorrisozinho maroto 
ao canto do olho, e na sua infinita sabe-
doria, acabou por se pronunciar :

Estejam calmos, não se afrontem, que já vão ver que
tralha de gente eu lá vou espalhar .

E foi assim, dizem os livros sagrados, que o nosso 
País foi povoado .
.

quinta-feira, 6 de julho de 2017

Costa morto em combate .

O Costa vai dar à costa .

O Costa não sabe nadar ...
O Costa não sabe nadar ...

Anda a boiar .

Que razões tão poderosas terão levado o Primeiro Ministro
a desertar a meio dos combates com que se viu confrontado
durante estas duas semanas, que viram o País sucumbir a 
dois desastres de imensa gravidade, como nunca aconteceu 
neste Portugal dos pequeninos, calamidades que há gerações
não nos aconteciam ...

Porque abandonou o barco, no meio da tormenta, quando de-
veria ser ele a estar ao leme de um navio a desmantelar-se jun-
to ao rochedos .?!...

O Costa tem falta de material, de mau comportamento, de cas-
tigo e de falta de vergonha ...

Ai, Costa, Costa ...
.